abrapoa

Não há como falar em Sanidade dos Organismos Aquáticos sem falar em Vacinologia. Por isso, este foi um dos temas de alta relevância do segundo dia do ABRAPOA 30 anos.

O estudo de vacinas está em plena expansão industrial e acadêmica, visando à prevenção e ao controle de doenças causados por patógenos, segundo o Professor Dr. Ruben Avendaño-Herrera, da Universidad Andres Belo, do Chile, que ministrou a primeira palestra do dia, Chile's experience with the use of vaccines in aquaculture, sobre Vacinas para Organismos Aquáticos.

Ruben expôs o histórico das mais de 20 vacinas desenvolvidas em seu país, o qual se destaca como o maior fornecedor de salmão do mundo, resultando em diversos benefícios como o aumento da economia e empregabilidade para o setor. Informações, dados e ações sobre vacinação no Brasil ainda foram muito bem expostos pelos demais participantes do painel: Dr. Carlos Leal (UFMG), Dra. Fabiana Pilarski (UNESP), Dr. Rodrigo Zanolo (Merk Sharp & Dohme), Dr. Henrique Figueiredo (UFMG) e Dr. Vitor Gonçalves (UEM).

A apresentação sobre Relações patógenos-hospedeiros foi conduzida pelas Dras. Delphine Destoumiex-Garzón, da Université de Montpellier, da França; Dra. Luciane Perazzolo, da Universidade Federal de Santa Catarina, e Dra. Sybelle Bellay, da Universidade Estadual de Maringá, que descreveram cada fase do ciclo das relações em diferentes organismos aquáticos.

O evento ainda contou com a exposição de pôsteres de pesquisas atuais e uma homenagem à Pesquisadora Dra. Maria José Paiva, pelos anos de dedicação à Ciência, por meio de instituições como o Instituto de Pesca, da Agência Paulista de Tecnologia do Agronegócio, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

 

Por Gabriela Souza 

CECOM - Centro de Comunicação

Instituto de Pesca - APTA - SAA