Os 10 anos da Rede de Pesquisa em Sustentabilidade na Aquicultura serão comemorados com um workshop no dia 23 deste mês, em Teresina

 

637x325

 

O evento, denominado Sustentabilidade na Aquicultura, e aberto a estudantes, técnicos e empresários do setor, vai reunir os 40 pesquisadores de 15 instituições das cinco regiões do Brasil, que trabalham com piscicultura, carcinicultura, mitilicultura, ostreicultura e algicultura. O evento começa às 8:30 horas, na sede da Embrapa Meio-Norte, com a uma palestra de Rodrigo Roubach, da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), com o tema A Importância do Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura no Brasil, América Latina e Caribe. Em seguida, o professor Wagner Valenti, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), falará sobre Indicadores de Sustentabilidade para a Aquicultura: metodologia consolidada após uma década de pesquisa.

Após um intervalo de meio hora, os pesquisadores, em reunião fechada, irão ouvir mais três palestras: Sustentabilidade do Cultivo de Camarões Marinhos no Ceará e no Piauí (Carolina Costa – Unesp), Sustentabilidade do Cultivo de Tambatinga no Piauí e Maranhão (Laurindo Rodrigues – Embrapa), e Sustentabilidade do Cultivo de Macroalgas Marinhas no Ceará (Stefany Almeida – Unesp). Logo depois de outro intervalo de meio hora, o evento prosseguirá com as palestras Sustentabilidade do Cultivo Multiespaciel e Mulçtitrófico de Carpas e Tilápias em Santa Catarina ( Jorge Casaca – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri) e Sustentabilidade da Produção de Tilápias em Tanque-rede em São Paulo (Instituto de Pesca – Governo do Estado de São Paulo).

Certificação de fazendas aquícolas

Para a pesquisadora Janaína Kimpara, uma das coordenadoras do evento, o workshop é de “extrema importância para que o setor produtivo aquícola tenha conhecimento sobre os conceitos de sustentabilidade e, principalmente, como é possível medi-la quantitativamente, por meio da metodologia desenvolvida e validada em cultivos comerciais aquícolas”. Segundo ela, a integração do setor acadêmico com o setor produtivo, formuladores de políticas públicas e agências certificadoras de produtos provenientes de sistemas de produção sustentáveis, “é imprescindível para que as diretrizes internacionais e nacionais sobre desenvolvimento sustentável sejam de fato cumpridas”.

Kimpara destaca que, dentre os indicadores de sustentabilidade definidos pela Rede de Pesquisa, “estão as externalidades positivas e negativas, incluindo os serviços ecossistêmicos, as emissões e sequestro de carbono e a porcentagem de uso de recursos renováveis no sistema produtivo. A pesquisadora enfatizou também que, “igualmente ao conceito de sustentabilidade, estes conceitos são amplamente difundidos, porém há falta de consenso quanto à sua quantificação, o que impede a sua aplicação na prática”. Os cientistas vão discutir ainda os critérios para certificação de fazendas aquícolas como sustentáveis, que garantirão agregação de valor aos produtos, segurança ao consumidor e conservação ambiental.

 

Fonte: Portal do Agronegócio, Abril/2019 (https://www.portaldoagronegocio.com.br)

Para acessar a notícia clique aqui